Aquário Ideal Para o Peixe Borboleta

Os peixes borboletas são conhecidos pela beleza que apresentam. Brilhantes, coloridos, são peixes de água salgada, provenientes de recifes de corais, que exigem cuidados muito específicos ao serem colocados em um aquário. Primeiro, porque não são tão pequeninos quanto os peixes mais comumente encontrados nos aquários de água doce. O que leva a deduzir que precisam de aquários com mais de 200 litros de água. A escolha pelo tamanho do aquário vai depender da sub espécie a que pertencerá o peixe-borboleta a ser adquirido.

Os biólogos acreditam que haja mais de 100 espécies de peixes-borboletas nos mares onde costumam viver. Originário das águas do Atlântico tropical, possui nome científico haetodon striatus, é uma espécie de peixes tropicais marinhos da família chaetodontida. No Brasil, também é popularmente conhecido como beijo-de-moça, borboleta-listrado, carapiaçaba, castanhola, freire, paru, paru-mulato, parum, peixe-borboleta e quebra-prato. Seu nome se deve às cerdas encontradas nos membros da espécie. Podem ser encontrados ainda na costa  nordeste dos Estados Unidos.

Cada subespécie do peixe borboleta possui uma necessidade especial de espaço, por conta não apenas do crescimento, mas também por serem peixes ativos que “circulam” muito no interior do aquário. O recomendável é que o aquário onde este peixe será colocado tenha, pelo menos 208 litros, de acordo com a comunidade aquática.

E não é apenas em relação ao tamanho do reservatório que o aquarista deverá se atentar. Os peixes-borboletas precisam de alimentação bastante adequada. São exigentes e não se alimentam com qualquer ração ou peixinhos desidratados. E se alimentação não estiver adequada, bem como o espaço para quem possam nadar, eles podem chegar até mesmo ao óbito.

Antes de adquirir um exemplar, todos os especialistas recomendam: leia muito sobre o peixe-borboleta. Não são peixes, de uma espécie fácil de ser tratada, não se adequam a todo o tipo de espaço,  requerem uma temperatura próxima a do habitat natural, e não vivem em comunidade. Portanto, outros peixes podem vir a sofrer ataques por parte do borboleta, em particular se forem menores. O ideal mesmo é que o aquário possua mais de 285 litros. Também vale lembrar que, por serem peixes oriundos do universo marinho, precisam terem em seus aquários plantas e outros acessórios que remetam ao habitat natural. Não é possível colocar mais do que um exemplar num aquário, e se o reservatório for o primeiro a ser montado pelo aquarista, é melhor buscar uma outra opção de peixe.

Os Peixes Borboletas de Água Salgada

Há uma diversidade de espécies que podem ser postas nos aquários. Isto serve tanto para os de água salgada quanto de água doce. Vale, para a escolha, o gosto pessoal e os cuidados que cada espécie irá demandar aos seus futuros donos.

E quem vai de fato ter um aquário em casa, deve ter a preocupação de saber como se comporta cada espécie de peixe escolhida para alegrar o reservatório. Cada peixe demanda um cuidado específico – um dos erros mais comuns é crer que basta colocar o peixe no reservatório, alimentá-lo e fazer a troca de água ou limpeza do tanque que estará tudo certo. Engana-se, completamente quem pensa dessa forma. E, quem vai enveredar no tanque de água salgada terá mais trabalho ainda pela frente. De fato, são mais vistosos do que os de água doce. Contudo, as espécies de peixes são mais delicadas no trato e alguns exigem cuidados especiais.

Por exemplo, uma classe bem interessante para ser colocado num aquário de água salgada são os peixes borboletas. Há diversas subespécies de borboletas, que são conhecidos cientificamente como chaetodon striatus,  uma espécie de peixes tropicais marinhos da família chaetodontidae,genericamente conhecido por várias denominações. Dentre eles há o cooper band sendo tido como um dos mais difíceis de serem cuidados em um reservatório. Isto porque esta espécies é altamente exigente no que concene à alimentação: comem apenas artêmias vivas.

Outra subespécie é o borboleta rostratus. Tido como altamente sensível e de difícil adaptação. Por essa razão, não é aconselhável que aquaristas inexperientes adquiram este tipo de peixe, pois ele morre com muita facilidade. Embora ele seja lindíssimo – possui um focinho longo para retirar alimentos dos corais – somente arrisque se conhecer ou tiver a possibilidade de cuidar corretamente do exemplar.

Outro tipo que atrai muito aos olhares dos aquaristas é o borboleta vôngole. Um dos poucos que podem ser mantidos junto aos corais. É importante que sejam colocadas conchas dentro do aquário para que ele exercite o hábito natural de abri-las e, dessa forma, se alimentar. São exóticos, lindos, mas de difícil trato.