Conheça o Peixe Bótia-Palhaço, Peixe Ornamental Para Seu Aquário

O peixe Bótia Palhaço é um peixe criado como um animal de estimação nos aquários, e este é um dos integrantes mais bonitos e coloridos do gênero Botia.

Este é um peixe que chama muito a atenção devido a todo o seu contraste formado por listras verticais, o que possui um corpo com coloração avermelhada em nadadeiras, o que lhe rende um apelido de Coridora de luxo.

O contrário dos outros tipos de bótias, a Bótia macracantha se demonstra muito ativa quando está em grupo, o que torna fundamental ter pelo menos três indivíduos deste peixe no aquário, do contrário se mostra como m peixe tímido e assustadiço, o que passa o dia escondido.

Da origem do Peixe Bótia Palhaço.

Com relação a origem do peixe bótia palhaço, podemos citar que ele é localizado na Tailândia, na Malásia e Java, se trata de um peixe bastante pacífico, e que costuma geralmente atingir em torno de 15 cm em aquários e 30 em ambiente natura. Por isso o aquário deste peixe precisa ter pelo menos 200 litros de água, e além de tudo isto, as plantas e troncos criam refúgios, estes que são muito apreciados com um PH entre 5,0 e 7,5 e a temperatura entre 24 e 30°C.

Do habitat do Peixe Bótia Palhaço.

Enquanto que as espécies menores não geram maiores danos para as plantas, é possível que elas habitem um aquário plantado sem problemas, sendo até mesmo útil pois a sua boca é prolongada e permite que o peixe bótia encontre restos de rações escondidas entre folhas e em ambientes de difícil acesso.

Sua alimentação precisa ser basicamente de ração em flocos, caramujos, artêmias salinas, dáfnias, entre outras rações. Apesar de ser um predador de caramujos, os aquaristas por sua vez precisam ter em mente que se houver outros alimentos em abundância ele irá perder parte do interesse por eles.

 

Tipos de Peixes Para Aquários Marinhos

Há uma diversidade de espécies que podem ser postas nos aquários. Isto serve tanto para os de água salgada quanto de água doce. Vale, para a escolha, o gosto pessoal e os cuidados que cada espécie irá demandar aos seus futuros donos.

Um grupo de peixes que pode ser bastante interessante de se ter num aquário marinho é o do peixe conhecido “anjo marinho”. Estes são considerados peixes ornamentais, lindíssimos e de fácil trato. Comem quase todo o tipo de alimento. Em contrapartida, são não comunitários, o seja, territorialistas e não podem ser colocados com outras espécies. Certamente, irão morder os peixes menores, ou até mesmo comê-los.

Ainda há um outro inconveniente: costumam ser peixes caros, e raros de serem encontrados. Isto se deve ao fato de que são muito resistentes e vivem em corais. Vão da coloração alaranjada e brilhante, com o final do corpo com um uma faixa azulada, também muito brilhante. O ideal é que sejam comprados ao menos  dois exemplares para o aquário – eles devem viver em pares.

 

Aquário Ideal Para o Peixe Borboleta

Os peixes borboletas são conhecidos pela beleza que apresentam. Brilhantes, coloridos, são peixes de água salgada, provenientes de recifes de corais, que exigem cuidados muito específicos ao serem colocados em um aquário. Primeiro, porque não são tão pequeninos quanto os peixes mais comumente encontrados nos aquários de água doce. O que leva a deduzir que precisam de aquários com mais de 200 litros de água. A escolha pelo tamanho do aquário vai depender da sub espécie a que pertencerá o peixe-borboleta a ser adquirido.

Os biólogos acreditam que haja mais de 100 espécies de peixes-borboletas nos mares onde costumam viver. Originário das águas do Atlântico tropical, possui nome científico haetodon striatus, é uma espécie de peixes tropicais marinhos da família chaetodontida. No Brasil, também é popularmente conhecido como beijo-de-moça, borboleta-listrado, carapiaçaba, castanhola, freire, paru, paru-mulato, parum, peixe-borboleta e quebra-prato. Seu nome se deve às cerdas encontradas nos membros da espécie. Podem ser encontrados ainda na costa  nordeste dos Estados Unidos.

Cada subespécie do peixe borboleta possui uma necessidade especial de espaço, por conta não apenas do crescimento, mas também por serem peixes ativos que “circulam” muito no interior do aquário. O recomendável é que o aquário onde este peixe será colocado tenha, pelo menos 208 litros, de acordo com a comunidade aquática.

E não é apenas em relação ao tamanho do reservatório que o aquarista deverá se atentar. Os peixes-borboletas precisam de alimentação bastante adequada. São exigentes e não se alimentam com qualquer ração ou peixinhos desidratados. E se alimentação não estiver adequada, bem como o espaço para quem possam nadar, eles podem chegar até mesmo ao óbito.

Antes de adquirir um exemplar, todos os especialistas recomendam: leia muito sobre o peixe-borboleta. Não são peixes, de uma espécie fácil de ser tratada, não se adequam a todo o tipo de espaço,  requerem uma temperatura próxima a do habitat natural, e não vivem em comunidade. Portanto, outros peixes podem vir a sofrer ataques por parte do borboleta, em particular se forem menores. O ideal mesmo é que o aquário possua mais de 285 litros. Também vale lembrar que, por serem peixes oriundos do universo marinho, precisam terem em seus aquários plantas e outros acessórios que remetam ao habitat natural. Não é possível colocar mais do que um exemplar num aquário, e se o reservatório for o primeiro a ser montado pelo aquarista, é melhor buscar uma outra opção de peixe.

Tipos de Peixes Que Podem Ocupar Aquários de Até 40 Litros

Nem todos os tipos de peixes podem ser colocados em qualquer tipo de aquário. Este é outro erro comum entre aqueles que se iniciam no aquarismo. Os peixes necessitam de espaço adequado para que o seu desenvolvimento se dê de acordo com a sua espécie. Também não se deve lotar um aquário com um número exagerado de peixinhos pequenos, apenas porque, aparentemente, eles não demandam de espaço, alimentação, oxigênio e nutrientes. Tudo isto deverá ser avaliado antes de qualquer compra de equipamentos.

Algumas considerações, portanto, devem ser realizadas. Os peixes quando são adquiridos costumam ser “jovens”. Isto significa dizer que irão ter um crescimento de acordo com a sua natureza. Certos peixes indicados para aquários de água doce podem ficar entre 2,5 centímetros a  25 centímetros quando estão na fase adulta. Por isso, peixes dourados, por exemplo, não são adequados para tanques com 40 litros. Por outro lado, os peixes da espécie tetra, embora sejam pequenos, são hiperativos e precisam de bastante espaço para se locomoverem. Também não podem ser postos em tanques pequenos. O mesmo vale para aquários cuja finalidade for a reprodução e não a vivência dos peixes.

Tipos de Peixes Para Aquários de Água Doce

Para cada tipo de aquário há um tipo de peix. Por exemplo. Existem, basicamente, dois tipos de aquários, os de água doce e os de água salgada. Para cada um, há certas variedades de espécies. Cada tipo de aquário, há um subtipo – os de água doce, são, basicamente os aquários plantados e os comunitários. Já os marinhos, podem ser divididos em três categorias: os destinados apenas aos peixes, os destinados a manutenção de invertebrados e os que reúnem as duas modalidades anteriores. Estes são chamados de mini reefs.

Para quem irá montar um aquário de água doce, basicamente, há três tipos de peixes que podem ser escolhidos para preencher o vidro: os peixes comunitários, os semi – agressivos e os não- comunitários.

Os peixes comunitários são aqueles que, de forma geral, não são agressivos e podem conviver muito bem com espécies variadas. Não são territorialistas. Estes tipos de peixes também apresentam outra característica positiva: tendem a prosperar muito mais do que outras espécies. Por outro lado, os aquários que recebem estes peixes comunitários precisam receber uma carga de nitrogênio maior do que outros aquários e peixes. Por serem de diversas espécies, cada um precisa de uma quantidade específica de nitrogênio na água. Mas são fortes o suficiente para receberem cargas que estejam acima ou abaixo do necessário.

Já os classificados como semi- agressivos não vivem em harmonia com outras espécies. É o caso do peixe betta e do anjo, que não pode ser colocado com outro exemplar dentro do tanque. Caso sejam postos num mesmo tanque, perseguem os menores, mordem as nadadeiras dos demais, e chegam até mesmo a comer os mais frágeis.

Já os não comunitários devem viver sozinhos não podem de forma alguma serem postos com outros exemplares. Em geral, isto é uma característica de peixes de grande porte como o peixe-dourado.

Peixes Exóticos e Corais Moles Para Aquários de Iniciantes

Quem opta por um aquário de água salgada, também terá a opção de colocar em seu interior corais moles. Esta tipologia de corais é bastante resistente e possui um custo bem abaixo dos duros. Mas é importante que tubos de luz sejam instalados no reservatório. Dois ou mais tubos de luz T8, duas ou mais T5S ou iluminação de iodetos metálicos. Além disso, é importante o fornecimento de fluxo de água moderado a forte, cerca de 10 vezes o volume do tanque por hora, mas isto deverá ser realizado através do sistema chamado powerheads (são bombas submersíveis universais).

Outra possibilidade são os pólipos estrela. De coloração verde brilhante que cresce em uma estrutura de coloração roxa, ele se espalha bem rapidamente através do reservatório. Muitos aquaristas costumam até mesmo colher este tipo de coral e revender, uma vez que a demanda costuma ser bem grande. Eles gostam de plânctons (uma espécie de invertebrados), necessitam de luz, ajudam a manter, inclusive os tanques livres de sujeiras.

Opções de peixes não faltam para serem escolhidos para aquários de quem está sendo iniciado na arte. Peixes –palhaços são bonitos, resistentes e comunitários. Podem viver em cativeiro – e hoje já são criados dessa forma, para que doenças ou propensões à morte sejam minimizadas. Castanheira também é outra possibilidade.  Este peixe é de custo bem baixo, e facilmente encontrado em lojas especializadas. São compatíveis com outras espécies de peixes, e também são comunitários. A alimentação é bastante variada, indo dos alimentos frescos aos flocos. O mesmo serve para o peixe palhaço.

Uma boa ideia é colocar junto a eles camarões limpadores. Eles possuem coloração que vai do branco ao vermelho. A ideia de colocar os camarões é que eles promovem um tipo de limpeza nos peixes. Eles sobrem nas costas dos peixes e removem parasitas e restos de peles, e, dessa forma, acabam mantendo o reservatório limpo.

Dicas Para Montar Seu Aquário

Quem deseja enveredar pelo universo do aquiriofilismo – nome dado à prática e hobby de montar e cuidar de aquários, precisa, primeiramente, procurar entender um pouco do assunto para não cometer alguns equívocos logo de cara e acabar perdendo dinheiro e tempo ou até mesmo desistir de realizar uma prática gostosa e bastante divertida que é cuidar de um aquário.

Biólogos afirmam que, assim como as pessoas, os peixes preferem certos ambientes e preterem outros. Peixes costumam ter certa tolerância – ou intolerância – a determinados phs de água. A água que é colocada no aquário pode variar de ph – alcalinidade da água. Acima de 7, tem-se uma água mais ácida, ideal para algumas espécies, e abaixo de 7, que tolera um maior número de tipos de peixes. Lembrando que, aquários de água salgada, embora sejam os mais bonitos e ricos em variedade de espécies de peixes, também costumam dar mais trabalho no cuidado diário e semanal. Então, é preciso que se faça, primeiramente a escolha pelo tipo de aquário.

Quem optar, por exemplo, por aquários que possam comportar peixes amazônicos, como acarás e neons, precisarão ter o cuidado de usar um ph mais ácido, já que estes tipos de peixes exigem isto. Mas, é importante salientar que, certos tipos de aquários requerem aquariofilistas mais experientes. Isto porque, não é somente necessário ter o conhecimento da alcalinidade da água, da espécie do peixe e sair montando o reservatório. Peixes precisam de algum tipo de planta – particularmente as que já fazem parte de seu habitat natural – e não dá para colocar plantinhas artificiais, elas precisam ser naturais e exigem cuidados específicos e esporádicos.

Portanto, para quem nunca montou um aquário antes, o ideal é começar pelo mais simples.

Um aquário simples é aquele que os biólogos chamam de “50 litros”. Medem, em geral, 50 centímetros de comprimento, 30 de largura e 35 de altura. Não ocupam muito espaço, podem ser colocados sobre suportes, desde que adequados, ou até mesmo acoplados em paredes, fazendo a função de um quadro. Mas, avalie se vale a pena, logo de início fazer um acoplado na parede.

Despois da aquisição do vidro, vêm os filtros. Estes são considerados os itens mais importantes, já que são eles os responsáveis pela filtragem e oxigenação da água. Para início, os mais recomendados são os filtros mecânicos. Há ainda a necessidade de cascalhos, para serem depositados no fundo do vidro, itens decorativos, termostato, tampa e lâmpadas, medidor de Ph, rede e sifão.

 

Como Preparar o Aquário Para a Chegada de Seu Betta

Para quem quer ter um peixinho como animal de estimação em casa, em particular alguns tipos de peixes, precisa saber quais cuidados deverá manter com o aquário em que estes serão colocados. Embora muitas pessoas apenas comprem reservatórios pequenos e coloquem os peixes dentro, não basta apenas prepará-los de forma muito simples. É essencial que alguns procedimentos sejam realizados antes da chegada dos peixes aos seus “futuros lares”. Algumas espécies de peixes demandam mais cuidados do que outros, como é o caso dos peixes bettas. Muito populares aqui no Brasil, por conta de serem fáceis de achar e/ou cuidar, a tarefa pode não ser tão simples quanto parece. E se o desejo é mantê-lo vivo por bastante tempo, deve-se ficar atento aos procedimentos corretos, em especial no preparo da água.

Os peixes da espécie betta pertencem a um habitat natural interessante – eles são oriundos dos arrozais da Tailândia, onde vivem quase na superfície da água. Lá, também encontram espaço suficiente para nadar e se movimentar da maneira que eles gostam. Portanto, para quem quer ter um exemplar dessa espécie precisa, antes de mais nada, encontrar um tipo de reservatório que não seja tão pequeno, como muitos costumam adquirir. Isto é o primeiro “erro” que se comete ao ter um betta em casa.

Os bettas precisam de aquários que tenham, no mínimo, espaço para mais de um litro de água. Eles gostam de se movimentar e, quando cansados, costumam ficar paradinhos em seus habitats, por isso outro detalhe é não ficar batendo no vidro do aquário, para ter a certeza de que estão ainda “vivos” lá dentro.

A água do aquário deverá ser preparada com uma solução denominada de “condicionador para aquário”. Esta é encontrada em pet shops especializados na comercialização de material para aquário. Encontra-se também a solução em lojas especializadas em revenda de produtos para aquariofilismo – prática de quem cria, organiza e cultiva aquários em casa. O condicionador irá retirar o cloro e outras impurezas como metais pesados que acabam sendo depositados no fundo do aquário com o tempo. Não trocar a água é sempre o mais recomendável. Não se deve ainda usar água engarrafada para encher os reservatórios – elas costumam privar os peixes da espécie betta de alguns minerais que são importantes para a nutrição e sobrevivência dos peixes.

Caso o tanque seja sem tampa, deve-se encher apenas 80% do mesmo. Isto garante que o betta não “pule” para “fora” do aquário. Eles saltam até 3 centímetros de altura. Coloque seu betta dentro do aquário e o alimente apenas com pellets – as bolinhas vendidas para a alimentação da espécie.

Como Montar um Aquário Plantado

Para quem está enveredando pelo universo do aquariofilismo – a prática de montar e cuidar de aquários e peixes, precisa, antes de mais nada, colher o máximo de informações sobre os tipos de aquários existentes e quais são os cuidados necessários para cada um deles. A princípio é importante saber que os tipos de aquários, assim como os peixes, podem ser divididos em duas categorias – os aquários de água salgada e os de água doce.

Os aquários de água doce podem se r classificados como: plantado, tropical, ornamental e o comunitário. Este último, mais comumente encontrado e pode ser mais fácil de ser mantido.

Um aquário plantado é aquele cuja função básica é garantir o desenvolvimento de plantas aquáticas. Tanto é que, para se ter um tipo de aquário como este é importante conhecer como ele deve ser construído, antes de mais nada. O aquário plantado possui parâmetros e equipamentos fisio e químicos de água que estão exclusivamente coltados para o crescimento de certas plantas aquáticas.

Não que este tipo de aquário não possa receber uma gama de peixinhos, mas estes deverão ser pequenos e não podem ser dos tipos herbívoros, pois corre-se o risco de que eles passem a se alimentar das plantas que estão sendo cultivadas. Este tipo de aquário é muito atrativo uma vez que há uma diversidade de paisagens que podem ser montadas. O aquarista (ou aquiriofilista) dispões de inúmeras espécies que podem ser reunidas num mesmo reservatório. Peixes mais indicados para este tipo de aquário são os pequenos e não herbívoros.  Cuidados redobrados com iluminação, filtragem, aquecimento, e nutrição tanto das plantas quanto de peixes, em caso destes fazerem parte do aquário.

Para montar um aquário deste tipo são necessários alguns materiais e procedimentos, os quais devem ser seguidos à risca. Fora o reservatório de vidro (o aquário propriamente), são necessários: húmus de minhoca, areia ou cascalho fino, e um cascalho mais grosso, além de uma boa iluminação (prioridade), aquecedor (termostato), e uma boa filtragem e as plantas que devem ser escolhidas de acordo com as espécies entre si. Lembrar-se de que elas podem ser acompanhadas pelos mais diversos tipos de peixes, desde que sejam pequenos e não herbívoros.

Depois de fazer o preparo inicial, que é a colocação de areia, cascalho, húmus, plantas e água, o cuidado deve ficar a cargo da instalação dos equipamentos. O filtro deverá ser potente, do tipo canister (pode ser o mecânico também). A iluminação deve ser a branca, e o aquário deverá ficar ligado 10 horas por dia. Como os aquários devem ficar numa temperatura entre 27 a 29 graus, use sempre um bom termostato, para não ter surpresas. Difusor de CO2 é opcional.

Quanto à manutenção, esta deverá ser mensal.

Como Montar um Aquário Para Peixes de Água Salgada

Peixes de água salgada para serem postos em uma quário, requerem tipos de cuidados até certo ponto diferentes dos que são feitos com os peixes que vivem em água doce. Um aquário de água salgada é vistoso, costuma ser mais atraente aos olhares do que um de água doce, justamente pela gama de opções que nele podem ser exploradas. Um aquário de água salgada, por exemplo, permite que o aquarista inclua peixes, invertebrados, corais, plantas marinhas, e uma infinidade de outras formas de vidas aquáticas.

Muitas pessoas que curtem ter animais de estimação em casa, acabam optando por ter aquários simples, por estes serem relativamente fáceis de cuidar e não exigirem muito espaço. Em tempos de moradias pequenas, isto é mais do que aceitável. A opção acaba se estendendo também aos peixinhos, já que não são quaisquer tipos de peixes que se adequam a todos os tipos de aquários. Os aquários marinhos são bem mais trabalhosos e difíceis de serem montados do que os de água doce. Então, vale a seguinte regra: somente monte um aquário de água salgada se tiver algum tipo de experiência anterior.

Atarefa requererá paciência e muito, mas muito conhecimento prévio. Não saia montando aquário de água salgada sem ter lido algumas várias orientações. A primeira tarefa será entender que, os tamanhos para aquários de água salgada não seguem padrões dos de água doce. Isto se deve ao fato de que os peixes de água salgada necessitam, obrigatoriamente, de bastante espeço para nadar e conviver confortavelmente com as demais espécies que são postas no reservatório. A proporção que deverá ser respeitada é a de 2,5 centímetros de peixe para cada 11 litros de água. Então, faça sempre a s contas. Um tanque, não poderá ter menos do que 180 litros.

O equipamento básico para a montagem de um aquário de água salgada, também difere do da água salgada. Isto ocorre porque os peixes marinhos precisam de um cuidado especial, se quiser dar a eles uma garantia de vida com qualidade. Uma lâmpada de espectro é o segundo elemento que deve ser comprado. O primeiro, obviamente, é o tanque. Rocha viva, areia aragonita para o leito do tanque, uma bomba de água, um hidrômetro, mistura de sais e um kit básico de teste que irá informar sobre os níveis de salinidade, pH e substâncias químicas no tanque são os demais que comporão o aquário.