Subespécies Para Aquários Marinhos

Há uma diversidade de espécies que podem ser postas nos aquários. Isto serve tanto para os de água salgada quanto de água doce. Vale, para a escolha, o gosto pessoal e os cuidados que cada espécie irá demandar aos seus futuros donos.

E quem vai de fato ter um aquário em casa, deve ter a preocupação de saber como se comporta cada espécie de peixe escolhida para alegrar o reservatório. Cada peixe demanda um cuidado específico – um dos erros mais comuns é crer que basta colocar o peixe no reservatório, alimentá-lo e fazer a troca de água ou limpeza do tanque que estará tudo certo. Engana-se, completamente quem pensa dessa forma. E, quem vai enveredar no tanque de água salgada terá mais trabalho ainda pela frente. De fato, são mais vistosos do que os de água doce. Contudo, as espécies de peixes são mais delicadas no trato e alguns exigem cuidados especiais.

Entre os borboletas, por exemplo, há o chelmon, que é altamente territorialista, não comunitário, e não pode, de forma alguma, ser colocado com outros menores. Ele come todos sem nenhuma piedade, uma vez que faz parte de suas características morde, avanças, perseguir e comer os menores. Experiências entre os aquaristas não faltam . é muito comum ouvir um menos experiente que optou por exemplares do chelmon e se depararam, após alguns dias, com o aquários vazio” de outros espécimes menores. Sem contar que costumam demorar para aceitar comida congelada; comem apenas larvas e artêmias. Precisam ainda de bastante espaço, podem chegar até 20 centímetros de comprimento.

Já os da família donzela, também são charmosos e menos agressivos do que os que pertencem à família dos borboletas. Resistentes, vivem muito bem entre os corais, que, de fato, fazem parte de seu habitat natural. A coloração vai do azul claro ao verde escuro, isto dependendo da quantidade de luz que recém em suas escamas. Não são peixes do tipo que se assustam com facilidade. Até chegam a comer nas mãos do dono – costumam subir a superfície, por isso o recomendável é manter o aquário tampado. Estes, ao contrário dos borboletas, vivem bem em cardumes, não são considerados não comunitários. Mas não podem ser postos sozinhos, devem sempre ser colocados em torno de 5 a 6 exemplares. Entre dois ou três, irão disputar território.

Exemplares fêmeas costumam ficar bem agressivas.

Tipos de Peixes Para Aquários Marinhos

Há uma diversidade de espécies que podem ser postas nos aquários. Isto serve tanto para os de água salgada quanto de água doce. Vale, para a escolha, o gosto pessoal e os cuidados que cada espécie irá demandar aos seus futuros donos.

Um grupo de peixes que pode ser bastante interessante de se ter num aquário marinho é o do peixe conhecido “anjo marinho”. Estes são considerados peixes ornamentais, lindíssimos e de fácil trato. Comem quase todo o tipo de alimento. Em contrapartida, são não comunitários, o seja, territorialistas e não podem ser colocados com outras espécies. Certamente, irão morder os peixes menores, ou até mesmo comê-los.

Ainda há um outro inconveniente: costumam ser peixes caros, e raros de serem encontrados. Isto se deve ao fato de que são muito resistentes e vivem em corais. Vão da coloração alaranjada e brilhante, com o final do corpo com um uma faixa azulada, também muito brilhante. O ideal é que sejam comprados ao menos  dois exemplares para o aquário – eles devem viver em pares.

 

Tipos de Peixes Que Podem Ocupar Aquários de Até 40 Litros

Nem todos os tipos de peixes podem ser colocados em qualquer tipo de aquário. Este é outro erro comum entre aqueles que se iniciam no aquarismo. Os peixes necessitam de espaço adequado para que o seu desenvolvimento se dê de acordo com a sua espécie. Também não se deve lotar um aquário com um número exagerado de peixinhos pequenos, apenas porque, aparentemente, eles não demandam de espaço, alimentação, oxigênio e nutrientes. Tudo isto deverá ser avaliado antes de qualquer compra de equipamentos.

Algumas considerações, portanto, devem ser realizadas. Os peixes quando são adquiridos costumam ser “jovens”. Isto significa dizer que irão ter um crescimento de acordo com a sua natureza. Certos peixes indicados para aquários de água doce podem ficar entre 2,5 centímetros a  25 centímetros quando estão na fase adulta. Por isso, peixes dourados, por exemplo, não são adequados para tanques com 40 litros. Por outro lado, os peixes da espécie tetra, embora sejam pequenos, são hiperativos e precisam de bastante espaço para se locomoverem. Também não podem ser postos em tanques pequenos. O mesmo vale para aquários cuja finalidade for a reprodução e não a vivência dos peixes.

Peixes Para Aquários de Até 40 Litros

Nem todos os tipos de peixes podem ser colocados em qualquer tipo de aquário. Este é outro erro comum entre aqueles que se iniciam no aquarismo. Os peixes necessitam de espaço adequado para que o seu desenvolvimento se dê de acordo com a sua espécie. Também não se deve lotar um aquário com um número exagerado de peixinhos pequenos, apenas porque, aparentemente, eles não demandam de espaço, alimentação, oxigênio e nutrientes. Tudo isto deverá ser avaliado antes de qualquer compra de equipamentos.

Não se deve colocar qualquer tipo de peixe em qualquer tipo de aquário. Considerar-se-á que os peixes são adquiridos ainda muito jovens e vão se desenvolver. Alguns peixes de aquário de água doce podem chegar a vida adulta a medir até 25 centímetros. Um desses, jamais poderá ser colocado em um reservatório de 40 litros.

Peixes com barbatanas curtas, coloridos e pequenos são sempre os mais aconselháveis. Além de chamarem muito a atenção por conta do brilho e da cor, costumam ter uma vida muito ativa e se movimentarem com ligeireza dentro dos aquários. Uma espécie ainda pouco conhecida que foi obtida graças à manipulação genética, o glo-fish, apresenta umas linhas fluorescentes pretas que, ao receberem luz, brilham um diamante negro. Uma boa opção.

 

Peixes Exóticos e Corais Moles Para Aquários de Iniciantes

Quem opta por um aquário de água salgada, também terá a opção de colocar em seu interior corais moles. Esta tipologia de corais é bastante resistente e possui um custo bem abaixo dos duros. Mas é importante que tubos de luz sejam instalados no reservatório. Dois ou mais tubos de luz T8, duas ou mais T5S ou iluminação de iodetos metálicos. Além disso, é importante o fornecimento de fluxo de água moderado a forte, cerca de 10 vezes o volume do tanque por hora, mas isto deverá ser realizado através do sistema chamado powerheads (são bombas submersíveis universais).

Outra possibilidade são os pólipos estrela. De coloração verde brilhante que cresce em uma estrutura de coloração roxa, ele se espalha bem rapidamente através do reservatório. Muitos aquaristas costumam até mesmo colher este tipo de coral e revender, uma vez que a demanda costuma ser bem grande. Eles gostam de plânctons (uma espécie de invertebrados), necessitam de luz, ajudam a manter, inclusive os tanques livres de sujeiras.

Opções de peixes não faltam para serem escolhidos para aquários de quem está sendo iniciado na arte. Peixes –palhaços são bonitos, resistentes e comunitários. Podem viver em cativeiro – e hoje já são criados dessa forma, para que doenças ou propensões à morte sejam minimizadas. Castanheira também é outra possibilidade.  Este peixe é de custo bem baixo, e facilmente encontrado em lojas especializadas. São compatíveis com outras espécies de peixes, e também são comunitários. A alimentação é bastante variada, indo dos alimentos frescos aos flocos. O mesmo serve para o peixe palhaço.

Uma boa ideia é colocar junto a eles camarões limpadores. Eles possuem coloração que vai do branco ao vermelho. A ideia de colocar os camarões é que eles promovem um tipo de limpeza nos peixes. Eles sobrem nas costas dos peixes e removem parasitas e restos de peles, e, dessa forma, acabam mantendo o reservatório limpo.

Peixes Ornamentais de Água Doce

Peixes ornamentais vivem bastante. Em particular os que estão postos em reservatórios pequenos. Costumam vivem em média de 4 a 6 anos, como é o caso dos Bettas, que embora sejam peixinhos considerados comuns, estão na categoria dos ornamentais, devido à variedade de cores que eles possuem.

Os ornamentais de água doce também são conhecidos por serem pequenos, logo não necessitam de reservatórios muito grandes. Adaptam-se bem nos que podem receber de 5 a 50 galões de água. Use sempre tampas, pois eles, em geral, são saltadores, e podem cair do aquário. Não coloque mais de 80% de água no total do vidro.

Já os peixes ornamentais grandes costumam chamar mais a atenção. E, caso o peixe escolhido seja comunitário, não se deve colocar vários exemplares num mesmo reservatório. Como o próprio nome, os ornamentais grandes de agua doce são bastante exibidos.

Existem alguns peixes ornamentais de água doce que são bastante conhecidos do público em geral, e estes, costumam também ser os mais preferidos dos aquaristas iniciantes. O Peixe Betta e o Peixe Kinguio. Existem muitos peixes ornamentais, dos mais variados tipos, tamanhos, preços, cores, características.

Além desses dois, é possível ver um outro que é muito conhecido por suas lindas cores e seu alto preço: o Acará Disco.

O betta é o mais comum conhecido entre todos. De pequeno porte, pertencente a categoria dos agressivos, portanto, não comunitários, este peixinho é originário da Tailândia. Há uma diversidade de modelos e cores, muito exóticos até. Não exige grandes cuidados, é fácil de ser alimentado e seu custo é relativamente baixo. Pode viver por muitos anos. Sua cauda alongada garante que ele nade de forma bastante suave. Não se pode colocar dois bettas num mesmo aquário, já que são territorialistas. O peixe betta fêmea costuma ser menor do que o exemplar macho.

Outro peixe ornamental bastante conhecido é o kinguio. Eles lembram, alguns tipos é claro, às carpas. Outros, apresentam uma “bola na região da cabeça”. São muito comuns e fáceis de serem vistos em aquários de modo geral. Recebem ainda, aqui no Brasil, a alcunha de peixes japoneses. Os kinguios podem viver até 30 anos, quando não são cuidados em aquários. Chegam a medir cerca de 10 centímetros cada exemplar. Deve-se tomar cuidado com os peixes que serão colocados juntos a ele no aquário ou lago. Em geral, combinam bem com carpas.

Quais melhores Peixes para Aquários?

Peixes e aquários – quais os peixes que devem ser colocados em aquários para iniciantes.

Para quem está enveredando pelo universo do aquariofilismo (ou aquarifilismo) – a prática de montar e cuidar de aquários e peixes -, precisa, antes de mais nada, colher o máximo de informações sobre os tipos de aquários existentes e quais são os cuidados necessários para cada um deles. A princípio é importante saber que os tipos de aquários, assim como os peixes, podem ser divididos em duas categorias – os aquários de água salgada e os de água doce.

Os aquários de água doce podem ser classificados como: plantado, tropical, ornamental e o comunitário. Este último, mais comumente encontrado e pode ser mais fácil de ser mantido.

Um aquário plantado é aquele cuja função básica é garantir o desenvolvimento de plantas aquáticas. Tanto é que, para se ter um tipo de aquário como este é importante conhecer como ele deve ser construído, antes de mais nada. O aquário plantado possui parâmetros e equipamentos fisio e químicos de água que estão exclusivamente voltados para o crescimento de certas plantas aquáticas.

O mesmo deverá ser feito em relação aos tipos de peixes que podem ou não ser colocados ou não nos vários tipos de aquários. É importante também considerar que, para iniciantes, não se deve trabalhar com todos os tipos de espécies de peixes, em particular os de água salgada. Isto se deve ao fato dos cuidados exigidos pelos variados tipos de peixinhos – nem sempre basta apenas trocar a água do aquário a cada mês, por comida e manter oxigenação adequada.

O primeiro passo é escolher o tipo de peixe que irá predominar – ou apenas constituir – o aquário. Vale lembrar que aquários de água doce, assim como os peixes, são mais fáceis de serem tratados. O habitat para este tipo de aquário ´pode ser bem tropical. Um dos peixes mais atraentes para este tipo de aquário são os peixinhos dourados. São comuns, muito resistentes e não crescem mais do que 20 centímetros. Possuem barbatanas curtas, cores bastante variadas (variações nos tons de dourado são os exemplares mais bonitos). Não sofrem com alterações de temperatura, alimentam-se de forma bastante variada – alimentos congelados, flocos e alimentos frescos. Dentre os peixinhos dourados mais procurados estão os Shubunkin azul, Cometa e Fantail (duas caudas), além do dojô (é um peixe resistente), o qual respira oxigênio e precisa vir à tona regularmente. Outra característica é que eles gostam de se enterrar entre os cascalhos do fundo do aquário.

São tão domesticáveis que chegam a se alimentar nas mãos do dono.

Como Cuidar de Peixe Falcão?

Os hawkfishes, mais popularmente conhecidos como “peixes –falcão”, apesar de parecerem bonitinhos, não são nada sociáveis. Estes peixes estão classificados como agressivos e não comunitários, mesmo sendo pequenos. Oriundos de águas japonesas, os peixes –falcão vivem em águas mais frias, com densidade entre 1.023 A 1024, e ph não ultrapassando entre 8 e 9. Alimentam-se de pequenos invertebrados, camarões, moluscos, outros peixes menores, isto se estiverem em habitat natural. Caso estejam em aquários e outros reservatórios, podem alimentar-se tanto de comida congelada quanto de animais vivos. Aliás, são peixes recomendados para serem colecionados em aquários, por conta, principalmente de sua beleza, facilidade de trato e de alimentação que não oferece quase nenhum tipo de problema.

Os peixe-falcão não ultrapassam os 8 centímetros de comprimento. Gostam de se movimentar, são rápidos e graciosos. Também gostam de ficar na espreita, escondidos em corais, para abocanhar suas vítimas. O movimento que esta espécie de peixe faz é tão rápido, que muitas vezes somente é captado por meio de gravação. A reprodução se dá por meio de ovos, os quais são sempre depositados pelas fêmeas em local firme e seguro, onde são chocados sozinhos.

Esta espécie pode ser facilmente encontrada em recifes de coral cérebro. Isto leva a crer que. ´para serem cultivados em aquário, precisam de algum tipo de esponja para se familiarizarem com o local. São típicos de água salgada e, mesmo sendo os aquários marinhos mais difíceis de serem tratados, vale a apena ter um com este tipo de peixe em casa.

O corpo dos peixe-falcão é branco, com tons amarelados, e outras faixas marrons espelhadas pelo corpo afora. Algumas faixas podem ser contínuas e outras pontilhadas. A nadadeira é dorsal, alta, e toda pontilhada também de marrom e branco, terminando com pequenos “cílios” no raio final do peixe. Podem conviver bem com invertebrados sedentários, como as poliquetas, spirographs ou celenterados.

Uma curiosidade que cerca muito este tipo de peixe é que ele pode mudar de sexo facilmente. Pesquisadores estudaram por muito tempo esta espécie e perceberam que, tanto machos isolados quanto fêmeas eram capazes de depositar seus ovos no fundo dos reservatórios. Também por isso, são considerados peixes muito inteligentes. Ao tentar retirar um peixe falcão do fundo de um aquário, talvez alguns donos fiquem frustrados, pois os peixes- falcão são espertos o suficiente, para se esconderem entre corais e outros objetos que existam dentro do reservatório.

 

Peixes Ornamentais: Lindos Peixes Ornamentais de Aquário

Peixes e aquários – quais são os peixes ornamentais de água doce mais bonitos?

Para falar em peixe ornamental é preciso, antes de mais nada, esclarecer o que significa a palavra ornamental. Ornamental é aquilo que enfeita, dá um ar diferente, deixa o ambiente bonito, agradável, distinto. Portanto, trata-se de uma peça decorativa mesmo. E peixes ornamentais são de fato isto. Os aquaristas de plantão, além de adorarem o trabalho no trato com as criaturas marinhas, também deseja deixar o ambiente mais bonito, no fim de tudo.

E quem nunca se enveredou por este universo e deseja enveredar precisa, primeiramente, procurar entender um pouco do assunto para não cometer alguns equívocos logo de cara e acabar perdendo dinheiro e tempo ou até mesmo desistir de realizar uma prática gostosa e bastante divertida que é cuidar de um aquário. Isto inclui saber o que é um peixe ornamental antes de sair por buscando por algum exemplar.

Biólogos afirmam que, assim como as pessoas, os peixes preferem certos ambientes e preterem outros. Peixes costumam ter certa tolerância – ou intolerância – a determinados phs de água.por isso os cuidados com a água, em particular de certos peixes, deve manter rigorosamente o que se pede: acima de 7, tem-se uma água mais ácida, ideal para algumas espécies, e abaixo de 7, que tolera um maior número de tipos de peixes. Lembrando que, aquários de água salgada, embora sejam os mais bonitos e ricos em variedade de espécies de peixes, também costumam dar mais trabalho no cuidado diário e semanal. Então, é preciso que se faça, primeiramente a escolha pelo tipo de aquário. Há ornamentais para ambos os tipos.

Peixes ornamentais vivem bastante. Em particular os que estão postos em reservatórios pequenos. Costumam vivem em média de 4 a 6 anos, como é o caso dos Bettas, que embora sejam peixinhos considerados comuns, estão na categoria dos ornamentais, devido a variedade de cores que eles possuem.

Os ornamentais de água doce também são conhecidos por serem pequenos, logo não necessitam de reservatórios muito grandes. Adaptam-se bem nos que podem receber de 5 a 50 galões de água. Use sempre tampas, pois eles, em geral, são saltadores, e podem cair do aquário. Não coloque mais de 80% de água no total do vidro.

Já os peixes ornamentais grandes costumam chamar mais a atenção. E, caso o peixe escolhido seja comunitário, não se deve colocar vários exemplares num mesmo reservatório. Como o próprio nome, os ornamentais grandes de agua doce são bastante exibidos.

Como Preparar o Aquário Para a Chegada de Seu Betta

Para quem quer ter um peixinho como animal de estimação em casa, em particular alguns tipos de peixes, precisa saber quais cuidados deverá manter com o aquário em que estes serão colocados. Embora muitas pessoas apenas comprem reservatórios pequenos e coloquem os peixes dentro, não basta apenas prepará-los de forma muito simples. É essencial que alguns procedimentos sejam realizados antes da chegada dos peixes aos seus “futuros lares”. Algumas espécies de peixes demandam mais cuidados do que outros, como é o caso dos peixes bettas. Muito populares aqui no Brasil, por conta de serem fáceis de achar e/ou cuidar, a tarefa pode não ser tão simples quanto parece. E se o desejo é mantê-lo vivo por bastante tempo, deve-se ficar atento aos procedimentos corretos, em especial no preparo da água.

Os peixes da espécie betta pertencem a um habitat natural interessante – eles são oriundos dos arrozais da Tailândia, onde vivem quase na superfície da água. Lá, também encontram espaço suficiente para nadar e se movimentar da maneira que eles gostam. Portanto, para quem quer ter um exemplar dessa espécie precisa, antes de mais nada, encontrar um tipo de reservatório que não seja tão pequeno, como muitos costumam adquirir. Isto é o primeiro “erro” que se comete ao ter um betta em casa.

Os bettas precisam de aquários que tenham, no mínimo, espaço para mais de um litro de água. Eles gostam de se movimentar e, quando cansados, costumam ficar paradinhos em seus habitats, por isso outro detalhe é não ficar batendo no vidro do aquário, para ter a certeza de que estão ainda “vivos” lá dentro.

A água do aquário deverá ser preparada com uma solução denominada de “condicionador para aquário”. Esta é encontrada em pet shops especializados na comercialização de material para aquário. Encontra-se também a solução em lojas especializadas em revenda de produtos para aquariofilismo – prática de quem cria, organiza e cultiva aquários em casa. O condicionador irá retirar o cloro e outras impurezas como metais pesados que acabam sendo depositados no fundo do aquário com o tempo. Não trocar a água é sempre o mais recomendável. Não se deve ainda usar água engarrafada para encher os reservatórios – elas costumam privar os peixes da espécie betta de alguns minerais que são importantes para a nutrição e sobrevivência dos peixes.

Caso o tanque seja sem tampa, deve-se encher apenas 80% do mesmo. Isto garante que o betta não “pule” para “fora” do aquário. Eles saltam até 3 centímetros de altura. Coloque seu betta dentro do aquário e o alimente apenas com pellets – as bolinhas vendidas para a alimentação da espécie.